quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Criança é morta pela polícia na Maré

"Na manhã desta quinta-feira, dia 4/12/08, por volta das 8h, a Polícia Militar executou Mateus Rodrigues, de 8 anos, no Morro do Timbau, Complexo da Maré. De acordo com a família, o menino foi executado com um tiro na nuca quando saía de casa para comprar pão. A PM já está soltando a versão de que foi troca de tiros. Nesse momento, a família está na 21ª DP prestando depoimentos. Moradores revoltados fazem vigília ao redor do corpo e impedem a remoção do mesmo para evitar que a PM retire as evidências. No local, há um clima de muita tensão e revolta."
-

Encontro sobre "Direitos Humanos e Missão da Igreja", nesta terça dia 9/12/08

(Divulgado pela assessoria de imprensa do ISER)
-
- AVISO DE PAUTA -
-
Direitos humanos e missão da igreja
-
Encontro de Reflexão e Compromisso: 60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos
-
A Segunda Grande Guerra havia encerrado fazia apenas três anos. A Europa e o mundo ainda lamentavam seus mortos e se perguntavam como a humanidade do século XX, que acreditou que viveria um tempo de paz perene, liberdade plena e sociedade justa, pode ser capaz de tamanha barbárie.
-
Neste contexto de tristeza e renovação da esperança foi aprovada pela Assembléia Geral das Nações Unidas a Declaração Universal dos Direitos Humanos, com trinta artigos, tratando de temas fundamentais que procuram reconhecer e defender a dignidade da vida, a justiça, a diversidade entre os diversos grupos humanos.
-
A Declaração é um documento laico, mas possui uma forte ênfase na ética social da tradição bíblica judaico-cristã. Só para ficar num exemplo, a defesa da manutenção da vida humana pode ser depreendida do texto do Decálogo judaico e cristão, contido na Bíblia, que diz definitivamente: "Não matarás".
-
Como, portanto, articular o conteúdo da Declaração e os postulados bíblicos de defesa da vida, visando uma ação de luta por justiça e dignidade humana numa sociedade como a brasileira (e fluminense, especialmente), marcada pela morte sem pena e toda a agressão à vida, de que somos sabedores, todos os dias, conforme nos apresentam os meios de comunicação?!
-
Para destacar a importância da Declaração e o papel das igrejas nesse contexto, a Rede Evangélica Nacional de Ação Social (Renas), núcleo do Rio de Janeiro, em parceria com o Instituto de Estudos da Religião (ISER), promoverão no dia 9 de dezembro, véspera do aniversário de 60 anos da Declaração, um Encontro de Reflexão e Compromisso, com o tema DIREITOS HUMANOS E MISSÃO DA IGREJA.
-
Dentre os convidados para a mesa, destacamos o advogado Pedro Strozemberg, especialista-militante em direitos humanos e o reverendo André Melo, pastor protestante e antropólogo. Além da mesa de abordagem e debate, teremos uma performance com apresentação de alguns artigos da Declaração, feitos por jovens e uma breve liturgia religiosa em memória de pessoas vitimadas pela violência e de personalidades que dedicaram-se na defesa da vida e da dignidade humana.
-
O local do encontro, o Instituto Central do Povo, foi escolhido em função de ser um espaço secular de promoção da vida e também por estar localizado no complexo onde foram assassinados, após tortura, os três rapazes entregues por agentes do Estado a supostos traficantes de drogas, em junho deste ano.


Local: Instituto Central do Povo

Endereço: Rua Rivadávia Correia, 188, Saúde, Rio de Janeiro, RJ

Data: 09 de dezembroHorário: às 14h

A entrada é franca

Para mais informações: : 2220 3380, falar com Regina.
Ou via e-mail: cfernandes@iser.org.br

-

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Até o fim de Novembro...

Até o fim de Novembro muita coisa ainda vai acontecer na cidade do Rio de Janeiro.

Acompanhe a AGENDA, sempre atualizada, que disponibilizamos na coluna lateral.

AGENDA (fim de Novembro de 2008)

dia 24 - 9h às 17h - Fórum: Segurança Pública e Cidadania. Realização: Rio de Paz. Local: ABI- Associação Brasileira de Imprensa Auditório Oscar Guanabarino - 9º andar. Rua Araújo Porto Alegre, 71 Centro - Rio de Janeiro. www.riodepaz.org.br

dias 26 a 30 - V Feira Nacional da Agricultura Familiar e da Reforma Agrária. Local: Marina da Glória, Rio. Realização: Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA).

dias 27 a 30 - FO.CO.S (Fórum de Conscientização Social). Realização: Igreja Batista Betânia. Local: Estrada Manoel Nogueira de Sá, 538 Jardim Sulacap / Sulacap - Mallet Rio de Janeiro - RJ Brasil. www.ibbetania.com

dia 29 - 17h - Encontro do FALE - Rio. Discutiremos o documento SINCRONIA, que lança as bases do trabalho com a Rede Fale. Local: Igreja Batista Itacuruçá. mais info: pedrojustica@gmail.com. www.fale.org.br
-

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Boletim de Oração (FALE)

Todo mês sai, virtualmente, um Boletim de Oração do FALE. Se você deseja recebê-los ou enviar seus pedidos e agradecimentos, envie um e-mail para oracao.fale@gmail.com.
-
O Boletim traz informações sobre o que acontece em vários lugares do Brasil em que há presença da Rede Fale.
-
Conheça o blog do FALE www.fale.org.br e... "Fale: levante sua voz contra a injustiça!"
Um dos valores-chave da rede:
Oração: cremos na importância e no poder da oração e na responsabilidade de orar pela transformação na vida dos indivíduos e nas situações de injustiça social e pela salvação da nossa geração. (informação disponível no blogue da rede)

"Seja Participante ativo do nosso Boletim de oração! Interceda, peça e comente suas ações." (extraído do Boletim de Novembro/2008)

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

FALE no RJ (2)

Você encontra mais informações sobre os encontros do FALE ocorridos em Outubro no blog do fale (www.fale.org.br)

Leia aqui o relato de Caio César Marçal, coordenador da Articulação Nacional do FALE e conselheiro do CONJUVE.

"Levante sua voz contra a injustiça!"

sábado, 25 de outubro de 2008

Fale no RJ

"Levante sua voz contra a injustiça"

Nos dias 18 e 19 de Outubro de 2008, cerca de 30 pessoas estiveram reunidas em encontros do FALE no Rio de Janeiro e em Niterói. Na sexta-feira dia 17, Caio César Marçal, Articulador Nacional do FALE, que participou dos encontros, esteve presente também em Seropédica, visitando um grupo de ABUB na Rural (UFRRJ) e se reunindo também com Ednaldo e Pedro, articuladores do FALE para o Rio de Janeiro.


Roda de diálogo na Igreja Presbiteriana de Vila Isabel, Rio.

Os encontros nessas três cidades foram importantes para apresentar as propostas do FALE para muitos jovens, que hoje já atuam em igrejas locais e/ou com movimentos como a ABUB (Aliança Bíblica Universitária do Brasil, o EPJ (Evangélicos Pela Justiça), o CARE (Capacitados para Repartir) e o Alfa & Ômega. Pessoas de pelo menos 8 igrejas diferentes estavam reunidas, sendo que várias delas decidiram fazer parte de um grupo local do FALE. Hoje ainda não existem grupos locais do FALE em nenhuma dessas três cidades, não existe um corpo efetivo de pessoas levantando uma agenda local para a ação. Os encontros em Niterói e no Rio foram realmente momentos muito bons para a articulação.

Exibição do curta Cristo e o Processo Revolucionário Brasileiro, no Rio.
-

Cada cidade tem características diferentes, e os grupos e pessoas que estiveram presentes nos encontros apresentaram demandas específicas. É muito provável que a agenda local dos futuros Grupos FALE no RJ fique a serviço das demandas que já são percebidas e reconhecidas hoje. Tínhamos ainda presente no encontro em Niterói uma pessoa de uma igreja da cidade de São Gonçalo, de lá também se espera a formação de um grupo local que tenha uma agenda própria.

Roda de diálogo na Igreja Cristã da Aliança, em Niterói.


Em todos os encontros contamos com a participação e o apoio das igrejas locais (membros e pastores) que nos receberam, e por isto agradecemos à Igreja Presbiteriana de Vila Isabel e à Igreja Cristã da Aliança.
=-
Roda de diálogo na Igreja Cristã da Aliança, em Niterói.
-

Há muita coisa ainda a ser consolidada em próximos encontros e reuniões, mas esse final de semana de articulação foi decisivo para a mobilização de pessoas que já entenderam que é preciso buscar em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua Justiça!

Junte-se a nós e FALE em favor da justiça!

www.fale.org.br

contatos:
pedrojustica@gmail.com (Rio de Janeiro - Pedro)
hets25@hotmail.com (Seropédica - Ednaldo)

domingo, 19 de outubro de 2008

Capelania Hospitalar

Relato de uma vivência no Hospital do Andaraí
por Gabriela Borges
-
Penso que muitos não sabem o que é a capelania (hospitalar).
-
Capelania é uma estratégia de levar pessoas a terem experiências com Deus e então entregar suas vidas a Ele. Como diz o Pastor Miguel­- não pregando Cristo, mas levando o amor de Cristo.
-
Muitos que estão no hospital querem ser ouvidos, e nós “emprestamos nossos ouvidos”. Diferente do evangelismo que conhecemos, nós ouvimos mais e falamos menos. Dando assim importância à pessoa e sua história de vida. E com carinho e o amor de Cristo, semeamos a Palavra; com palavras e gestos.
-
No hospital nós não falamos de igrejas, instituições, de religião. E sim de Jesus e do seu amor.
-
Os voluntários e os capelãos vão ao hospital, desprovidos de todo tipo de preconceito e com a certeza de que são meros instrumentos nas mãos de Deus. É importante neste trabalho que se tenha vocação (o “chamado” de Deus), paciência, que tenha intimidade com Deus, é necessário se ter flexibilidade; pois no hospital existem regras e é fundamental que a equipe de capelania siga essas regras. Ter boa saúde, ter autocontrole e "amar" ir ao hospital.
-
A capelania hospitalar tem atuação em visitas de leito a leito, apoio pré e pós cirúrgico, terapias de urgência (UTI/emergência), assistência a pacientes terminais, assistência a familiares e/ou acompanhantes, assistência a funcionários, atividades relacionadas à arte dentro dos hospitais.Enfim, é um lindo ministério! E Deus têm agido!
-
Caso você queira conhecer o trabalho mais de perto, ter mais informações ou até mesmo quer participar da equipe de capelania; entre em contato: gaby_topazio@hotmail.com

Pedidos de oração:

*pacientes

*pelo capelão Pastor Miguel Kopanishyn

*pela capelã Silvia Migueis (coordenadora da pediatria)

*equipe de capelania e de saúde

*pelo hospital

*banco de leite

*outras necessidades

Veja isso como um desafio!

Um texto bíblico para refletir: Mateus 25. 35-40

"Pois eu tive fome, e vocês me deram de comer; tive sede, e vocês me deram de beber; fui estrangeiro, e vocês me acolheram;necessitei de roupas , e vocês me vestiram; estive enfermo, e vocês cuidaram de mim; estive preso, e vocês me visitaram. Então os justos lhe responderam: 'Senhor, quando te vimos com fome e te demos de comer, ou com sede e te demos de beber? Quando te vimos como estrangeiro e te acolhemos, ou necessitado de roupas e te vestimos? Quando te vimos enfermo ou preso e fomos te visitar?' O Rei responderá: 'Digo-lhes a verdade: O que vocês fizeram a algum dos meus menores irmãos, a mim o fizeram.''

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Um grito contra a injustiça!

Dia 18 de Setembro deste ano, estive no CENSOPEF (Centro Social Petronilha Eugenia Figueiredo) mantido pela PIB em Centenário, Duque de Caxias - RJ.
-
Tratava-se de um encontro com algumas lideranças locais e nacionais. Lá estavam presentes pastores de igrejas batistas, de igrejas Assembléia de Deus, um padre da Igreja Católica das redondezas, algumas pessoas da Visão Mundial, pessoas do ISER, moradores da região, pessoas envolvidas com o trabalho do Centro Social, e até mesmo crianças beneficiadas pelo trabalho social ali realizado.

O encontro foi realizado como uma forma de grito lançado pelo pastor Marcos, pastor da PIB em Centenário, contra a injustiça. Em Agosto, vários jovens envolvidos com o tráfico foram mortos pela polícia. Quase não foi notificado na mídia.

A mídia e a sociedade legitimam essas mortes pelo fato daqueles jovens estarem envolvidos no tráfico. Leandro tinha 17 anos, chegou a participar da PIB em Centenário, e morreu 8 meses depois de entrar para o tráfico.

Os cristãos não podem legitimar a morte de ninguém. Nem de um jovem que se envolve no crime.

No evento, o pastor Ariovaldo Ramos (Visão Mundial) lembrou-nos de que é preciso:

“ ...rever o conceito de progresso no Brasil. O progresso não pode ser medido em números. O progresso tem que ser medido em transformação social e em dignidade humana.”

Comentou ainda que geralmente quem assume o poder no Brasil, não assume o serviço e isto não pode mais ser tolerado.

A seguir um trecho do e-mail do Pastor Marcos (PIB em Centenário) falando da tragédia ocorrida:


"...a "chapa-ficou-quente" em Centenário. Intenso tiroteio na região conhecida como Lagoinha, Santuário, Morro do Sapo. Tudo na Vila Centenário.

Os 10 mortos faziam parte de nossa comunidade. Entre eles um que até ano passado estava como membro de nossa Igreja. Em meu último aconselhamento com ele, disse-lhe que sua escolha estava errada, mas que Deus e eu o amaria sempre. Disse a ele: Te amarei até na hora que precisar fazer seu Culto Fúnebre. Sua escolha não é de vida, mas de morte.

Fato é que ele foi alvejado e morto naquela operação policial. Entre os 16 corpos (10 do Centenário e 6 do Capivari) que estavam no IML o dele era o mais inteiro. Uma bala de metralhadora do coração. Um "rombo" naquele corpo, um "rombo" no nosso coração.

Levamos o corpo do nosso Leandro Rodrigues Gomes, 17 anos, para o Culto que aconteceu na sede do nosso Centro Social..."


Realmente, é muito difícil pedir para um indivíduo ou para um grupo de pessoas levantar a voz contra o poder das armas, do tráfico, da polícia, das milícias, dos coronéis. Diante da violência que podemos fazer? Como mudar essa realidade que se repete constantemente no Rio de Janeiro?

domingo, 21 de setembro de 2008

Participação política e juventude evangélica

Ao contrário do que muitos pensam, existem jovens no meio evangélico interessados e mobilizados pela transformação da sociedade com ações que envolvem diretamente algumas dimensões políticas.
-
Vale a pena acompanhar a quantas anda esse envolvimento dos jovens evangélicos. Aqui neste blogue já falamos sobre o processo de construção da I Conferência Nacional de Políticas Públicas de Juventude (ocorrida em Abril de 2008): mais de 400 mil jovens em todo o Brasil estavam envolvidos, dentre eles mais de 1200 jovens evangélicos.
-
Nos dias 29, 30 e 31 de Agosto de 2008, cerca de 40 jovens cristãos se reuniram em São Paulo no II Seminário de Políticas Públicas de Juventude. Eu estava lá, foi um momento de muito diálogo, difícil de ver em muitas instâncias da sociedade, dentro e fora da igreja. Cada voz que poderia-se considerar como distoante enriquecia mais ainda nosso encontro. Lá se reuniram jovens de alguns movimentos como a ABUB (Aliança Bíblica Universitária do Brasil), a JOCUM (Jovens Com Uma Missão), a Rede Fale, o EPJ (Evangélicos Pela Justiça), a Visão Mundial, a Rede Mãos Dadas, etc.
-
Saiba mais no site da Rede Fale www.fale.org.br ou clique diretamente aqui.
Se você deseja se envolver diretamente com a construção coletiva de Políticas Públicas de Juventude, entre em contato comigo, sou articulador da Rede FALE no Rio de Janeiro. Meu e-mail: pedrojustica@gmail.com.
-
Aguardo seu contato, sua participação é fundamental!
-
"Se a missão não for integral, então não é missão!" (uma frase que ecoa na mente de jovens que buscam justiça através da Defesa de Direitos, conheça mais sobre a Rede FALE aqui.)

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

O que é Missão Integral?... sábado dia 6

Neste sábado tem...
-
JUSTIÇA EM DEBATE sobre Missão Integral, com o Pastor Israel Belo de Azevedo.
-
HORÁRIO: 18h
LOCAL: Igreja Batista Itacuruçá, Salão Allen.
DATA: Sábado 6 de Setembro de 2008
-
mais informações: pedrojustica@gmail.com
-
"Como me libertar, se os meus próprios irmãos são aqueles que me oprimem?"
(O que é Missão Integral?, Israel Belo de Azevedo)

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Chacina de Vigário Geral: 15 anos

Na noite de 29 de agosto de 1993 mais de 40 homens mascarados, armados com metralhadoras, escopetas, pistolas e granadas, invadiram a favela de Vigário Geral, zona norte da Cidade do Rio de Janeiro, provocando grande terror.
-
Divididos em três grupos, foram responsáveis pelas horas mais dolorosas e terríveis para pessoas de bem, onde incendiaram traillers e motocicletas, cortaram fios telefônicos e destruiram orelhões.
-
O saldo foi de 21 pessoas mortas, nenhuma com antecedente criminal. Entre elas, sete estavam em um bar e oito perteciam a uma família evangélica. O que se pode perceber cotidianamente é que nas famílias de baixa renda as crianças não tem acesso a lazer de forma adequada, e seus pais vivem a constante preocupação em saber que seus filhos são humilhados, discriminados e agredidos de diversas maneiras.
-
Apesar de completar no próximo 29 de agosto, 15 anos da chacina de Vigário Geral, continuamos a registrar que todos os dias inumeras pessoas inocentes morrem nesta guerra sem fim!
-
DIA DE LUTA DO POVO CONTRA A VIOLÊNCIA
DIA 29 DE AGOSTO!
-
(informações disponibilizadas pela Agência de Notícias das Favelas - ANF)
-

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

II Seminário de Políticas Públicas de Juventude



Seminário mobiliza jovens cristãos para participação política em questões da juventude no país







Sensibilizar e mobilizar lideranças juvenis de igrejas e organizações evangélicas para as questões da juventude brasileira e participação no processo de elaboração das políticas públicas para o segmento. Estes são os principais objetivos do II Seminário de Políticas Públicas de Juventude, que ocorre nos dias 29 a 31 de agosto, em São Paulo. O evento é organizado pelas entidades evangélicas que fazem parte do Conselho Nacional de Juventude (Conjuve): Aliança Bíblica Universitária do Brasil (ABUB), Rede Fale e Jovens Com Uma Missão (Jocum). O evento pretende ser um espaço de reflexão sobre a participação evangélica na sociedade e de capacitação para jovens que pretendem se envolver nas questões de juventude com o intuito de promover valores cristãos como justiça e dignidade humana.

O Seminário reúne membros das organizações que possuem representação no Conjuve, lideranças de grupos juvenis de igrejas e entidades evangélicas, jovens que têm acompanhado os processos de implantação dos conselhos municipais, estaduais e nacional de juventude e membros de igrejas interessados em participar dos espaços de diálogo e discussão sobre políticas públicas de juventude (PPJs).

A programação inclui devocionais, palestras com sociólogos e membros do Conjuve sobre as políticas públicas de juventude (PPJs) no Brasil e inserção cristã nos contextos sociais, além de atividades culturais e reflexivas. Os participantes ainda devem elaborar uma atividade prática em igrejas da capital paulista. Além do espaço para o debate, a intenção é capacitar líderes para a atuação no acompanhamento das PPJs e participação em fóruns, grupos de trabalho e conselhos de juventude em todo o país. (por Priscila Vieira)


retirado de Agência Soma (aqui)

terça-feira, 5 de agosto de 2008

Mês da Juventude na PIBSG e Fórum R.E.V.E.R. (AGOSTO)

EVANGELHO RADICAL
VIDA CRISTÃ À LUZ DA MISSÃO INTEGRAL
-
Com o objetivo de desafiar a igreja, especialmente os jovens, ao compromisso de viver a missão integral em todos os aspectos de sua vida diária, durante o mês de agosto de 2008 – Mês da Juventude, a Primeira Igreja Batista em São Gonçalo e o Ministério Lançadores de Rede promovem uma ampla reflexão sobre as marcas e desafios de um Evangelho Radical.
-
Diversas preleções serão realizadas por meio de uma abordagem simples e contextualizada sobre o estilo de vida radical proposto por Jesus em seu discurso sobre as “bem-aventuranças” com o propósito de que cada pessoa seja capaz de perceber os desafios que a cercam em sua própria realidade e possa respondê-los à luz da missão integral.
-
Estão confirmadas as participações do Pastor e historiador Ziel Machado, Secretário Regional da Comunidade Internacional de Estudantes Evangélicos (CIEE América Latina) e do Pastor Olgálvaro Bastos Jr, Coordenador do Tribal Generation América Latina.
-
No dia 09 de Agosto, a partir de 15h, na sede da PIB em São Gonçalo, será realizada a primeira edição do Forum R.E.V.E.R – Reflexão, Engajamento e Visão para um Evangelho Radical, um espaço de diálogo e troca de experiências sobre os principais aspectos sociais do nosso tempo e suas implicações para a agenda missionária da igreja. Sob o tema “Quem se compromete com seu tempo, deixa marcas na história”, o evento promove uma Mesa de Discussão impulsionada a partir da exibição do documentário “Ilha das Flores”, de Jorge Furtado, com foco em temas atuais como a sociedade de consumo, desperdício e desigualdade social. Participam da mesa o Sociólogo e Diretor Pedagógico do ICEC (Instituto Cristão de Estudos Contemporâneos) Gedeon Alencar, o Coordenador Executivo da ONG de circo social “Se Essa Rua Fosse Minha” Cláudio Barria e o Ministro de Educação Religiosa da PIB em São Gonçalo, Jonathan Bahia.
-
Como resultado prático dessa iniciativa, estaremos desenvolvendo no dia 23 de agosto de 2008 uma ação de extensão junto à comunidade em Bairro das Palmeiras, na cidade de São Gonçalo, que irá consistir na disponibilização à população local de atendimento médico e consultoria jurídica e no desenvolvimento de atividades culturais e recreativas, cultos nos lares, além da inauguração de uma Biblioteca Comunitária.
-
A abertura do Mês da Juventude e do Forum R.EV.E.R será na sexta-feira, dia 08 de Agosto de
2008 às 19:30h.

-
Mais Informações:
Liana Santos
Tel.: 21 - 26050362 ; 21 - 82332533
lianinhavs@gmail.com
-
Rua Cel. Moreira Cesar, 175, Centro – São Gonçalo
http://www.lancadoresderede.com/

terça-feira, 22 de julho de 2008

Justiça Social Também é Vida Devocional

“Justiça social também é vida devocional”: o lugar da justiça social na espiritualidade cristã.
-
por Pedro Grabois*
-
Existe uma forte tendência do ser humano em querer separar matéria e espírito. Desta percepção fragmentada da vida surge uma outra separação: a que é feita entre justiça e espiritualidade. São muito comuns os discursos religiosos, no meio cristão, que tratam da espiritualidade como algo que diz respeito apenas ao indivíduo, ao seu interior, à sua subjetividade. Estes tratam freqüentemente da espiritualidade, da fé e da própria verdade do Evangelho de Jesus Cristo como algo abstrato, etéreo, flutuante, pairando sobre a terra. Mas a fé é algo concreto, fincado no chão, que se relaciona diretamente com os contextos e os problemas que nos envolvem.
-
Temos que nos perguntar então o que significa dizer que justiça social também seja vida devocional. Em primeiro lugar, não significa reduzir a vida devocional, a vida de fé, a espiritualidade genuinamente evangélica[1] a meras práticas sociais. Declarar que justiça social também seja vida devocional é compreender que a prática e a busca da justiça são partes integrantes essenciais à fé cristã (Miquéias 6: 8; Mateus 5: 6 e 6: 33). Quando pretendemos ser seguidores de Cristo sem levar em conta a dimensão da justiça, estamos vivendo um evangelho capenga, mutilado. Esta mensagem parcial, partida, incompleta, não é de modo algum o Evangelho de Jesus.
-
Para vivermos a Boa-Nova de Jesus de maneira integral precisamos levar em consideração toda a sua vida aqui na Terra: seu nascimento, as obras que realizou em seu ministério, as parábolas que contou, o resgate da Lei que realizou a partir do amor e da defesa da vida, o jeito como olhou e cuidou do ser humano, sua morte e ressurreição. A verdade do Evangelho é a verdade de um Deus que se fez carne, de alguém que desce de uma condição espiritual, considerada elevada, para a material, até então considerada inferior. A ascese cristã não deve ser do tipo que prega que o corpo é mau e que dele devemos nos desprender para chegar à dimensão espiritual. Cristo veio em carne e anunciou a chegada do Reino de Deus aqui na Terra. A realidade espiritual do humano existe na realidade material.
-
Muito da tendência do não envolvimento com a busca e a prática da justiça está ligada a esse ascetismo, uma pretensão de espiritualidade separada da matéria. Fala-se de disciplinas espirituais e de práticas devocionais fazendo referência apenas a oração, leituras bíblicas, jejum, cultos coletivos, etc. Não que estes elementos não sejam importantes, mas a vida espiritual não se resume a isto. Justiça social também é parte da vida e, portanto, também integra a vida devocional, mas também não deve ser encarada como se fosse somente mais uma disciplina espiritual, um apêndice da vida.
-
Contudo, não devemos procurar um trabalho social para estar bem com Deus, ou para ter a consciência aliviada, ou para sentir que estamos fazendo a nossa parte. Não, não é nada disto. E infelizmente isto também é muito comum: pessoas se envolvendo com os problemas dos outros, pensando que assim estão resolvendo seus próprios problemas. Esta última atitude é apenas um reflexo do individualismo ensinado pelo sistema em que vivemos. Não é isto que deve orientar quem segue a Cristo na busca e na prática da justiça. O que o Evangelho traz é a perspectiva de uma vida de missão à luz do Reino de Deus. Reino de Deus implica diretamente em viver os princípios trazidos e resgatados por Cristo, de modo prático, com ações concretas. O amor pregado por Jesus é sobretudo um amor prático, que está ligado a um fazer, ligado a usar de misericórdia para com o próximo (Lucas 10: 37).
-
Que nosso servir a Deus aconteça através do nosso serviço ao próximo. Que o amor que dedicamos a Deus seja manifesto concretamente no nosso amor ao próximo. Mas podemos nos perguntar: quem de fato é nosso próximo? Podemos também nos perguntar: como agir, como fazer justiça, como clamar por justiça de um modo que transforme as vidas das pessoas de uma maneira efetiva? Quando nos lançamos sobre a busca e a prática da justiça, logo percebemos que há mais perguntas e dúvidas do que certezas e respostas-prontas. Aliás, devemos fugir das repostas-prontas. Neste terreno, elas são uma armadilha terrível.
-
Fiquemos então com a certeza de que o Evangelho nos traz uma mensagem de comprometimento com o Reino de Deus e sua justiça e de que é preciso esforço e dedicação para viver neste caminho. É preciso preparar-se, capacitar-se, conhecer as realidades diferentes da nossa, deixar de lado um monte de preconceitos, etc.
-
É o voluntariado que vai solucionar todos os problemas? É a educação? É a ação da polícia? É a realização da reforma agrária? É a micro-política? É a visitação? É a alfabetização? Uma ação individual isolada muda uma realidade? Restam muitas perguntas sem resposta-pronta, e para resolver ou dissolver estes problemas é preciso lançar-se sobre este caminho, de prática e busca da justiça, que mistura uma série de elementos. Está claro que não é apenas um tipo de ação que dará conta dos problemas à nossa volta. A missão é integral, e deve ser pensada e realizada deste modo. Fica para nós o princípio vivo do Evangelho de Jesus que pede que dirijamos nossa atenção para a Natureza e os oprimidos da Terra. O cuidado é o novo-velho paradigma do cristianismo. Por isso afirmamos que justiça social também é vida devocional.
-
Nota:
[1] Espiritualidade exercida a partir da leitura e da vivência dos Evangelhos.
____________________________
*Escrevi este texto com a intenção de mostrar em que direção aponta a minha visão sobre Justiça. (O texto foi revisado por Marcos Vichi)

sexta-feira, 18 de julho de 2008

Palestra Gratuita dia 22/07/08: Psicologia Jurídica

PALESTRA GRATUITA
-
A Psicologia Jurídica hoje: campos de atuação profissional e formas de intervenção
-
Palestrante:
Christine Vieira Pereira - Psicóloga (CRP 05/30809), Especialista em Psicologia Jurídica pela UERJ, Profissional Associada ao Programa de Formação em Direitos da Infância e da Juventude - Pró-Adolescente/ Instituto de Psicologia/UERJ e Coordenadora Acadêmica do Curso de Extensão em Psicologia Jurídica/IBHA
-
Dia:
22 de Julho de 2008 (terça-feira)
-
Horário:
das 18:00 às 20:00h
-
Objetivo:
Apresentar campos de atuação profissional relacionados a Psicologia Jurídica e possibilidades de intervenção
-
Ao final da palestra, haverá o sorteio do livro Paternidades Contestadas: a definição da paternidade como um impasse contemporâneo, da autora Leila Maria Torraca de Brito
-
Local:
Hospital Phillipe Pinel, Av. Venceslau Brás, 65, 3º andar, Auditório A, Botafogo - Rio de Janeiro
-
Vagas Limitadas
-
Inscrições e informações:
Rua Barata Ribeiro, 399/202 - Copacabana
Tels.: (21) 2549-4413 / 3902-9414
-
Realização:
IBHA- CRP/PJ 05-344
-
Responsável técnica:
Clystine Abram - CRP 05/15048
-

segunda-feira, 14 de julho de 2008

Por uma Educação Inclusiva

No presente texto, trataremos brevemente da importância da perspectiva da Educação Inclusiva, com a qual tivemos contato direto a partir da disciplina Práticas Pedagógicas em Educação Inclusiva, cursada no período de 2008/2 na UERJ. Através desta disciplina fomos desafiados a pensar e repensar numa educação mais comprometida com a inclusão de todos. O acesso e a permanência de alunos com necessidades educativas especiais dentro da escola e da sociedade ficam, para nós, como os maiores desafios lançados por esta disciplina.
-
O conceito de Educação Inclusiva vai além do de Educação Especial. Esta última estava preocupada sim com a educação de pessoas com necessidades especiais, mas seus métodos eram ainda segregadores: separavam-se os alunos com algum tipo de necessidade especial dos que aparentemente não apresentavam nenhuma necessidade. A Educação Especial trouxe grandes avanços para a inclusão de pessoas com deficiências auditivas e visuais no Brasil: ainda no século XIX foram criados o INES e o Instituto Benjamin Constant, o primeiro para a educação de surdos e o segundo para a educação de cegos. Contudo, a perspectiva da Educação Inclusiva hoje pretende ir além dos métodos que separam e agrupam os alunos conforme suas deficiências ou capacidades. A Educação Inclusiva pretende incluir os alunos com deficiência no ensino regular, na sociedade, no mercado de trabalho, nas áreas de lazer, etc. A Declaração de Salamanca de 1994 foi um grande avanço neste sentido
[1].
-
No contexto do ensino regular, surge então o desafio das adaptações curriculares, que são modificações de forma e conteúdo das aulas. Estas mudanças na abordagem são feitas pensando-se na participação e no melhor aproveitamento de um ou mais alunos que apresentem alguma necessidade educativa especial. No caso de um surdo, por exemplo, faz-se necessário um intérprete; no caso de um cego, é aconselhável o uso de materiais que possam ser tocados e ouvidos. Não podemos esquecer que esta proposta das adaptações curriculares dentro do ensino regular, trazida pela educação inclusiva, é um enorme desafio para uma sociedade como a nossa, que perpetua modelos de educação que estimulam sempre a competitividade entre os indivíduos, e não a solidariedade. Vemos como exemplo disto algo bastante comum em diversas escolas: o ranking de alunos, defendido pela idéia de que representa estímulo positivo aos estudantes. É freqüente também encontrarmos, nas mesmas escolas, turmas separadas e organizadas conforme o rendimento dos alunos: colocam-se os alunos “problemáticos” numa turma e os com notas elevadas em outra. Isto é a manutenção de um modelo segregacionista.
-
Vemos então como a educação é um espelho da sociedade em que vivemos e como esta sociedade é também reflexo da educação que recebemos, oferecemos e construímos. Deste modo, o debate da Educação Inclusiva está também atrelado a questões como o acesso aos meios de transporte para portadores de deficiência física. Quantos ônibus ou estações de trem e metrô estão adaptados hoje? Por que continuamos a ver as leis sendo descumpridas e pouco ou nada fazemos para que sejam obedecidas? Pensar numa educação inclusiva é também pensar numa cidade inclusiva e numa sociedade mais justa. O empoderamento das pessoas com necessidades especiais é um dos maiores desafios neste sentido e já há toda uma movimentação em torno das políticas públicas que visam a inclusão de pessoas com deficiência. A Educação Inclusiva nos leva a pensar nas diferenças sócio-econômicas entre os indivíduos, pois estas também representam formas distintas de se ter acesso a educação, a mercado de trabalho, a bens culturais, etc. O desafio da Educação Inclusiva não fica apenas na questão do acesso, mas exige também um compromisso com a garantia de permanência das pessoas com necessidades especiais nas instituições de ensino, de modo que tenham assim um real e efetivo aproveitamento dos saberes que estão sendo construídos. Também já se percebeu que na Educação Inclusiva não há espaço para a Educação Bancária, tão criticada por Paulo Freire. Deve-se então pensar num processo de ensino-aprendizagem não em que haja simplesmente conteúdos a serem transmitidos, mas antes que haja saberes a serem construídos com os alunos, a partir de suas dificuldades, facilidades, deficiências e características próprias.
-
____________________
[1] Num artigo escrito coletivamente (Edicléa Mascarenhas Fernandes, Ana Cristina Freire da Silva, Helio Ferreira Orrico e Annie Gomes Redig) e intitulado A Disciplina Prática Pedagógica em Educação Inclusiva no currículo das licenciaturas da universidade do Estado do Rio de Janeiro: uma proposta de formação reflexiva, lemos que a Declaração de Salamanca de 1994 “representou um marco favorável à inclusão, por fortalecer a idéia de que as escolas regulares devem receber todas as crianças, independentemente das dificuldades e diferenças existentes, quer física, social ou lingüística, procurando respeitar os diferentes ritmos de aprendizagem e elaborando, portanto adaptações curriculares que permitam estratégias de ensino que assegurem uma educação de qualidade; onde a discriminação e o preconceito sejam ressignificados.”.
-
(Texto escrito por Pedro Grabois, como trabalho individual da disciplina Práticas Pedagógicas em Educação Inclusiva da licenciatura na UERJ)

sábado, 12 de julho de 2008

EM MEIO AO VAZIO

Por perto estar o Rio de Naim e Betânia,
por Vinicius, Alessandra e Paulo Roberto,
perguntei se Jesus, neste imenso deserto,
a flor tão cedo tomada renascer faria.
-
Penetrado também pela vil artilharia
que calou o sorriso do seu João Roberto
e lhes fez a mesa, a casa e a vida vazia,
por fé lhes afirmo que Jesus está por perto.
-
Junto na luta por justiça vida afora,
Ele enxuga suas lágrimas de saudade
e nunca esquecerá quando poucos lembrarão.
-
Enquanto nos espera para a eternidade,
Ele quer que lhes pergunte, além da indignação:
O que posso fazer por vocês aqui e agora?
-
(Israel Belo de Azevedo)

quarta-feira, 9 de julho de 2008

18 anos da criação do ECA


ECA 18 anos

"Acontece na próxima segunda, dia 14, o encontro ECA 18 anos. O evento pretende celebrar o aniversário da criação do Estatuto da Criança e do Adolescente, além de avaliar sua aplicação ao longo destes 18 anos."
-
-
(informações obtidas através do boletim eletrônico do *Observatório de Favelas do Rio de Janeiro)
-
*Observatório de Favelas do Rio de Janeiro
Rua Teixeira Ribeiro, 535 - Parque Maré, Maré
(21) 3104 4057 / (21) 3888-3220

sexta-feira, 4 de julho de 2008

OS 4.000 QUE ESTÃO PARA MORRER: QUEM OS SALVARÁ?

clique na imagem para vê-la ampliada
-
Conheça o movimvento Rio de Paz
-

Crianças do Abrigo Alma pedem ajuda

por: Paloma de Macedo

O Abrigo Alma - Associação Lar Missionário de Amor - localizado na Praia da Bandeira, 475 e que atende em regime de internato crianças vítimas de maus-tratos da família, está precisando de ajuda. A Petrobrás que mantinha convênio com a instituição desde setembro de 2007, rescindiu o contrato antes do tempo previsto. De acordo com a diretora do abrigo, Ilma Santos, o acordo que deveria durar um ano, foi finalizado em março porque muitas cláusulas do contrato não foram cumpridas e os repasses de dinheiro não foram feitos regularmente, prejudicando o trabalho do abrigo.
- A situação atual é péssima, estamos passando por muitas dificuldades desde o fim do convênio. Muitos colaboradores deixaram de nos ajudar depois de saberem que a Petrobrás estava investindo no abrigo. Estamos com todas as contas atrasadas e os funcionários estão sem salários há dois meses; em breve receberemos carta de despejo - conta Ilma.
A coordenadora da Alma, Ana Cláudia Santos, explica que no contrato, a empresa The Key, prestadora de serviços de assessoria técnica da Petrobrás, ficava encarregada de repassar os recursos financeiros para a ONG Cieds - Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável - que tinha como objetivo programar um plano de gestão e a capacitação técnica dos funcionários do abrigo.
- De 15 crianças passamos a cuidar de 25, pois houve contratação de novos funcionários pelo Cieds. A ONG só pagava o salário dos empregados esquecendo-se das contas e das obras de manutenção do Lar. Passamos os últimos meses por pesadelos, pois não tínhamos o que dar de comer às crianças. Sempre que pedíamos ajuda ao Cieds, eles diziam que não tinham recebido o dinheiro - informou Ana Cláudia, afirmando que logo após a quebra do contrato, foram demitidos 27 funcionários da instituição: “A The Key se comprometeu então, a doar durante um período de seis meses o valor de R$ 9.573 para que fosse utilizado da forma que nós quiséssemos no abrigo. Chamamos dez novos funcionários, mas infelizmente a empresa só nos pagou o mês de maio, teremos que mandá-los embora”, finaliza Ana.
O Cieds e a The Key disseram que trabalhavam em co-gestão e confirmam que houve atrasos nos repasses do dinheiro, mas que sempre cumpriram com as suas obrigações. - Após a ruptura do convênio da Petrobrás com o abrigo, decidimos voluntariamente ajudar as crianças por um pequeno período. Em nenhum momento foi sinalizado que não haveria mais doação para a associação, só que iríamos atrasar o dinheiro do mês de junho - disse Madeleine Braga, representante da The Key.
O abrigo depende agora exclusivamente de doações e está precisando praticamente de tudo. “O imóvel necessita de reformas e reparos com a máxima urgência. Quando tem chuva forte, todos os cômodos ficam alagados. No momento não estamos medindo esforços para fazer com que todos voltem a colaborar com a nossa instituição. Estaremos realizando um arraial no abrigo neste próximo domingo, dia 6, a partir das 12h, para tentarmos angariar fundos para quitar algumas despesas”, concluiu a diretora da Alma.

Copyright © 2000 - 2003 Ilha Notícias. Todos os direitos reservados
(esta matéria se encontra em www.ilhanoticias.com.br)

quinta-feira, 3 de julho de 2008

Batalha Naval

Batalha Naval
Pedro Luís & A Parede

J9 ainda era tão menino,
já dava tiros na água e afundou que nem submarino.
M não era mais que um pivete,
mas já portava nos braços umas AK-47.

D10, A11, L16, não importa a letra ou o algarismo vai chegar a sua vez. (2x)

E esta batalha não é de confete,
parece naval mas é batalha terrestre.
Na terra da alegria, país do carnaval, na cidade
maravilha a coisa vai mal.

C15, S14 já conhecem de berço o poder de uma 12,
sinal da cruz, hora do credo,
não tem mais letra no nome, vai morrer cedo.

Não é mole ser alvo, tampouco ser negro, o ponto é um tiro na palavra que virou segredo. (2x)

Não pode ter nome, só pode letra. Não pode ter olhos, só tarja preta. (2x)

Quem é o menino do jornal?
Quem é o submarino da batalha social? (2x)

Não pode ter nome, só pode letra.
Não pode ter olhos, só tarja preta. (4x)

quarta-feira, 2 de julho de 2008

Situação do Abrigo A.L.M.A. (por Ilma Santos de Souza)

o Arraiá começa às 12h
-
Repassando e-mail da Ilma que é a presidente do Abrigo Alma falando sobre a situação atual do abrigo: (este e-mail foi publicado já em http://pitecosdabel.blogspot.com/2008/06/abrigo-alma.html)

-


A situação atual é péssima, a instituição possui no momento 25 (vinte e cinco) crianças abrigadas, onde permanecem em regime de internato, estamos passando por muitas dificuladades desde o término do Convênio, com a Petro, pq muitos colaboradores deixaram de colaborar ao saber através do Jornal do bairro (Ilha Notícias) que a Petro estava investindo no Abrigo ALMA, preferiram ir ajudar as instituiçoes sem parceria, o que mto nos prejudicou, no momento não estamos medindo esforços pra fazer com tds voltem a colaborar com a nossa instituição, estaremos realizando um Arraiá no Abrigo neste próximo domingo (06/07), para tentarmos angariar fundos pra quitar algumas despesas da instituição, estamos com tds os pagamentos atrasados: quatro aluguéis atrasados, daqui a alguns dias estaremos recebendo a carta de despejo, três contas de luz, três contas de telefone, três contas de água e ainda os funcionários com salários atrasados há dois meses, estes funcionários atualmente alocados foram contratados pq a Empresa The Key, após a rescisão do convênio, se comprometeu a doar mensalmente durante o período de seis meses o valor de R$ 9.573,00 (nove mil quinhentos e setenta e três reais), para q fosse utilizado da forma que quizessemos na instituição, demos então preferência a contratação de um pequeno número de funcionários para que dessem continuidade aos trabalhos rotineiros, sendo que a Empresa The Key no segundo mês de doação não cumpriu o combinado, que seria fazer o depósito da doação até o quarto dia de cd mês, até a presente data não foi realizado, isso nos prejudicou ainda mais, nossas dívidas só aumentaram, pq contamos com esta doação para realizarmos os pagamentos.Estamos dependendo de doações materiais e financeiras, para mantermos a instituição funcionando. Amanhã estaremos sendo entrevistadas pela profissional do Jornal do Bairro (Ilha Notícias) pra através da matéria, informarmos aos moradores do bairro a nossa atual situação e solicitar ajuda.Estamos precisando de td que imaginar, o imóvel está precisando de reformas e reparos com máxima urgência, conforme consta na Prosposta a ONG CIEDS deveria ter viabilizado a execução dos serviços com a verba repassada pela Empresa The Key, qd tem chuva forte cai chuva dentro do imóvel, tds os cômodos ficam inundados.Qd o convênio foi rescindido os parceiros envolvidos no Projeto Petro deixaram as três descargas sanitárias sem conserto, sendo que havia verba disponível para execução do serviço.Eh essa a nossa situação hj, caso haja alguma dúvida, fique a vontade estou disposta a esclarecimentos.Obrigada pela atenção dispensada.Gd abç, Ilma Santos de Souza- Presidente do ALMA


"A terra foi feita para todos"

“A terra foi feita para todos. Sem certidões, servidões. Algemas, muros, grades, valas, cercas. Sem distinção de idade, cor, sexo, crença, ou etnia. No entanto, ao longo da história os irmãos se desconheceram, se odiaram, se mataram, se roubaram, se estranharam, se isolaram por muitos motivos, mas sempre sem razão.”
Betinho

sexta-feira, 27 de junho de 2008

"Justiça Social Também é Vida Devocional": conferências

Contribuição do Marcos Vichi >>>
-
Nos dias 07 e 08 de Junho eu tive a oportunidade de pregar numa série de Conferências sob o tema: "Justiça Social Também é Vida Devocional" na cidade de Ribeirão Preto - SP. As mensagens foram escritas a partir do capítulo 5 do livro do profeta Amós.
-
É com prazer que as compartilho com meus amigos:
-
Primeira mensagem: DEUS, VIDA E DIGNIDADE
-
Segunda Mensagem: SEDE DE JUSTIÇA
-
A terceira e última será publicada em breve!
-
Este é um texto do Frei Betto DO MUNDO VIRTUAL AO ESPIRITUAL
-
Cliquem nos links e boa leitura!!!
-
Um grande Abraço,
Marcos Vichi
-

terça-feira, 24 de junho de 2008

Notícias e pedidos: ABRIGO ALMA!

Amigos,
desde já um pedido: até 20 de Julho, vamos recolher doações em dinheiro para pagar uma van para as crianças do ALMA participarem de pelo menos um dia de EBF (24-27/07).
Se você quer ajudar pode entrar em contato direto comigo, com a Renata Pereira (esposa do Fábio Aguiar) ou com o Pr. Marcos Romão.

Pedro: 88769504
Renata: 81869353
Romão: 92995572

Sobre a mais recente visita (dia 21 de Junho): um pequeno testemunho

Bom,
acabou que só fomos eu e uma amiga minha que não é da igreja. Foi a segunda vez que a Clarisse foi. Ela, mais uma vez, gostou muito de ter estado lá.
O que fizemos? Inscrevemos todas as crianças nas fichinhas da EBF de Julho, compramos um botijão de gás para o abrigo e passamos um tempinho brincando e conversando com as crianças.
Os irmãos M., L. e B. continuam no abrigo: a Justiça autorizou a volta deles para a mãe, mas o processo de readaptação, segundo Dona Ilma, diretora do abrigo, deve ser feito com cautela.

A situação na qual estas crianças são colocadas é bastante delicada: não basta afastá-las de seus pais porque estes lhes fizeram mal um dia. Há todo um vínculo afetivo entre eles que ainda é muito forte.

Uma cena: uma mãe acabava de visitar seu filho naquela manhã, fechei o portão para ela ir embora, e o que a criança faz? Me bate! Maneira de reivindicar a mãe, dizer que quer a mãe ali com ela, ou que quer ir embora junto com a mãe.

Outra cena: algo que sempre acontece, precisamos ir embora e as crianças não querem nos deixar partir, pulam no nosso colo, dão abraço, beijo. As carências são muitas! Elas realmente precisam de pai e mãe pra cuidar, dar carinho e atenção, não é uma visitinha esporádica que muda a condição delas. Mas ainda assim esperamos que faça com que não se sintam de todo abandonadas e que se sintam um pouco mais amadas!


Bom, é isso que eu tinha a compartilhar com vocês.
Espero vocês lá dia 6 de Julho (Domingo): haverá um "arraiá" em frente ao abrigo. É mais uma oportunidade de conhecer a realidade das crianças e do abrigo.

Um abraço a todos e a PAZ de Deus,
Pedro.

quarta-feira, 18 de junho de 2008

Violência, armas, exército e milícias

Recebi e repasso (textos para nossa reflexão*)...
-
Da ANF (Agência de Notícias da Favelas):
-
Da Comunidade Segura:
-
-
Estes e outros sítios estão indicados na coluna ao lado >>>>
-
* Vale sempre lembrar que estes e outros artigos aqui indicados nos pedem que reflitamos, e não que estejamos necessariamente de acordo com as idéias que denfendem.

segunda-feira, 26 de maio de 2008

Eleições do Conselho Tutelar - 1º de Junho

repassando informações...
"Eleições do Conselho Tutelar
Dia:01/06/2008Horário: 9 às 17 horas

Apesar de ter pouca (ou senão nenhuma) divulgação na mídia é importante que cada um faça a sua parte. O Conselho Tutelar é o órgão encarregado de garantir os direitos fundamentais da criança e do adolescente: direito à vida (leia-se com dignidade), à saúde, à educação com qualidade, à liberdade, o direito à cultura, respeito, esporte, lazer, formação profissional. As atribuições desse Conselho estão expressas no Estatuto da Criança e do Adolescente. O Conselho Tutelar é composto de 5 membros diretamente, escolhidos por eleição, pelos cidadãos. No RJ, são 10 Conselhos Tutelares, então no próximo dia priemeiro serão eleitas 50 Conselheiros Titulares e 50 Suplentes.Para votar basta levar o Título de eleitor e documento de identidade. O local de votação é baseado em sua zona e seção eleitoral, bastando visitar o site: http://www.cmdcario.rj.gov.br/dowloads/del_701.doc
A eleição é organizada pelo Conselho Municipal dos direitos da Criança e do Adolescente sob a fiscalização do Ministério Público. Não deixem de votar com consciência!! !
Thaís Marçal"
Leia o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), clique na referência colocada na coluna da direita.

domingo, 25 de maio de 2008

O PODER DA ARTICULAÇÃO

Numa contribuição ao artigo Os evangélicos e o combate à fome, que faz parte do livro TIVE FOME, publicado pela ABU Editora, o pastor Levi Corrêa diz o seguinte:
-
"Precisamos buscar uma sinergia que se fortaleça a partir do respeito à diversidade dos atores evangélicos conscientizados de seu papel na proclamação do evangelho integral no combate a todas as fomes, através de ações emergenciais e estruturais."
-
"Creio que tal sinergia só ocorrerá se exorcizarmos o conceito errado que temos em nosso meio sobre as articulações; se denunciarmos e combatermos as nossas crises de protagonismo; e se nos arrependermos de nossa postura letárgica, disfarçada de prudência, frente às demandas sociais do nosso povo."

terça-feira, 20 de maio de 2008

BALADA PARA OUTRAS ISABELAS

Tenho aprendido muito com a realidade do Abrigo ALMA (www.alma.org.br). Não é nada fácil pra uma pequenina criança que mal começou a vida, já ter uma história de violência e abandono com marcas e seqüelas em seu corpo e em seu espírito. Infelizmente, essa realidade que é muito comum em abrigos do país afora fica na invisibilidade. A sociedade pouco clama por justiça para essas crianças.
A tragédia da menina Isabela me deixou muito triste e intrigado como todos, mas toda a repercussão e exploração da mídia me fez pensar bastante. Não escrevi um texto sobre, mas encontrei a mesma indignação que tenho dentro de mim numa poesia que circula hoje pela internet! Recebi-a por e-mail! Leiam e clamem por justiça!


"BALADA PARA OUTRAS ISABELAS
lisieux

Olá! Eu vim lhe contar
um pouco da minha história...
Peço atenção, seu "dotô",
um instante, não demora...

Meu nome não é Isabela
nem "caí" de uma janela
do quarto no sexto andar...
(será que pensaram, os insanos,
que ela sabia voar?)

Não moro num prédio equipado,
não tenho motos, brinquedos,
nem piscina pra nadar...
Eu brinco, às vezes,
nas poças de chuva,
com gatos, latinhas,
bolinhas de gude...
isso quando não tenho
que a mãe ajudar...

Não sei dançar, e não brinco
como menina educada,
porque aprendi, desde cedo,
lá no morro onde nasci,
que não importa o sexo da criança:
menino ou menina, a experiência,
é viver o teatro
da sobrevivência...

Não me chamo Isabela...
nem fui morta (ainda)
por meu pai ou madastra...
mas morro um pouco,
a cada dia,
quando sou espancada.

E morro também,
assim, engasgada,
obrigada a me calar
quando tenho mãos sobre mim...
nem sempre a me sufocar,
mas explorando,
de um jeito esquisito,
que nem entendo direito,
o meu corpo sem contornos...

Meu nome, não é Isabela...
Não tenho cabelos lisos,
nem tenho olhinhos espertos...
Ao contrário: meus olhos são opacos,
talvez, por não querer enxergar
minha dura realidade...

Também não faço teatros,
lá no palco da escolinha
... isso não é para mim...
Quando vou à escola,
é somente pra comer
a merenda que me dão...
pois muitas vezes, em casa,
não temos sequer o pão...

O máximo que sei é correr:
morro abaixo, morro acima,
entre os carros dos sinais...
para ganhar um trocado,
ou para fugir dos adultos,
que insistem em me machucar...

Eu não me chamo Isabela...
mas, como ela,
(ou até mais!)
eu sofro... e diariamente...

Tenho marcas de pancadas,
queimaduras de cigarros,
tenho ossos fraturados,
boca sangrando, hematomas,
que mãos e pés gigantescos
me provocam sem motivo...

Não morri, como Isabela...
Ainda não... mas irmãos,
amiguinhos, conhecidos,
eu sempre vejo morrer...

Quem matou? Nunca se sabe...
"ele caiu", "tropeçou"
"queimou-se por acidente"
"estrupada?", "coitadinha"...
"não fui eu", diz o padrasto,
"nem eu", diz a mãe omissa...
e eles não têm nem quem reze
para eles, uma missa...

Eu não me chamo Isabela...
sou Maria, Rita, João...
Sou Josefina, sou Mirtes,
sou Paulo, Sebastião...
Sou tantas, tantas crianças,
que todo dia a omissão
de todos deixa morrer...

Engraçado é que ninguém,
faz passeata por mim
a imprensa não divulga,
o "figurão" não se importa,
a classe média não grita,
os ricaços dão de ombros...

Que hipocrisia é essa,
de chorar por uma só?
São tantas as Isabelas
violentadas sem dó...

Mas que importam
os escombros,
a escória da sociedade?

Se não me chamo Isabela,
não mereço piedade.



Que o triste caso da pequena Isabela, sirva pra que abramos os olhos para o que acontece, todos os dias, com as nossas crianças..."

-

-

Quero lembrar aqui também do ECA, acesse-o aqui no blog (coluna da direita)! Tem uma relação com a poesia apresentada acima!

"É dever de todos velar pela dignidade da criança e do adolescente, pondo-os a salvo de qualquer tratamento desumano, violento, aterrorizante, vexatório ou constrangedor." (Artigo 18 do ECA-Estatuto da Criança e do Adolescente)

sexta-feira, 16 de maio de 2008

Oração com olhos e ouvidos atentos

Na nossa caminhada em missão integral, o cultivo de uma vida de oração nos traz lembrança do sagrado, da eternidade, no cotidiano ordinário. Além disso, a prática do serviço diaconal ao próximo anda também no mesmo rumo, principalmente, quando lembramos o que o Senhor Jesus disse em relação aos pequeninos que têm fome e sede, são estrangeiros, estão nus, enfermos e presos (Mateus 25: 31-46), nos possibilitando a vivência do Reino de Deus com a presença de Jesus no necessitado, que é imagem e semelhança do Criador.
-
Diante disso, podemos pensar numa oração diaconal, ou seja, uma oração vivenciada no serviço ao próximo, ao necessitado, ao pobre. Para isso, devemos estar atentos a uma educação de nossos sentidos em relação àquele que necessita. É comum orarmos de olhos fechados (sem nenhuma justificativa clara, bíblica ou teológica). Entretanto, a oração no contexto da missão integral deve ser feita de olhos e ouvidos bem abertos.
-
O profeta Habacuque tinha os ouvidos atentos ao sofrimento alheio. Seu livro é um diário de oração, em que registra suas inquietações diante da violência e injustiça causadas pelo avanço bélico do império babilônico. Interessante é a “canção de zombaria” (2: 6-20) dos povos atacados pela Babilônia e que “um dia ririam” de seu opressor. As exclamações, os cinco ais, do livro são imprecações que não eram raras na Antigüidade, expressando desprezo e desejo de vingança em relação àquele que trazia guerra, violência, dor e destruição. Podemos fazer uma pequena digressão para observar que por trás dos ais “prometidos” aos babilônios havia, primeiramente, os ais dos povos oprimidos que sofriam os ataques da guerra.
-
É necessário, portanto, educar nossos ouvidos para perceber os gritos de violência e injustiça sofridas, muitas vezes diariamente, sem, no entanto, haver uma guerra iminente, como era no contexto do profeta Habacuque. Esse tipo de percepção deve preencher nossa vida de oração, como uma atitude profética.
-
Já, Amós, o vaqueiro-profeta de Tecoa, não acreditava no que via, no sentido que ele foi despertado para exercer sua vocação a partir de seu olhar, daquilo que estava diante de seus olhos, diariamente. Ele vivia cuidando de rebanhos e de figueiras bravas (7: 4-15) e foi nesse contexto, e não em escolas de profetas, que Deus lhe abriu os olhos para as injustiças e desobediências das nações ao seu redor, inclusive Judá e Israel.
-
Aqui, temos é uma exortação para que abramos os olhos, de forma profética, diante de nossa realidade, da realidade brasileira, no nosso entorno próximo, seja em nossa vizinhança, seja na universidade, na comunidade eclesiástica, na cidade, no estado, na região, no país, na América Latina, no mundo globalizado.
-
Com olhos e ouvidos atentos ao próximo e a nosso contexto, nossas orações convidarão o Reino de Deus (Venha o teu Reino!) para perto, encontraremos, Jesus no outro e atuaremos como profetas denunciando injustiças e anunciando as Boas Novas.

Rodolfo Silva
Acessor de Diaconia da ABUB
-
(Este texto foi publicado originalmente no Respondendo ao Chamado. O RAC é um informativo semestral da Rede FALE.)

terça-feira, 6 de maio de 2008

1º Encontro de Capelania em Ita

Sábado, 17 de maio de 2008, 9h às 17h
-
Palestra 9h - 12h30
Almoço 12h30 - 14h
Oficinas 14h - 17h
-
Assuntos
Capelania hospitalar, enlutados e prisional
-
Tema
Fazendo a minha parte
-
Inscrições
Igreja Batista Itacuruçá
Praça Barão de Corumbá, 49 - Tijuca, Rio
Tel. 2570-2248 ou pelo site www.itacuruca.org.br
-
Divisa
"Pois eu estava com fome e vocês me deram comida...
estava sem roupa e me vestiram... estava doente e foram me visitar" - Mateus 25.35,36
-
-
[Será fornecido certificado de participação]

terça-feira, 29 de abril de 2008

Abrigo ALMA por ele mesmo

Em comentário a uma notíca aqui a Sra. Ilma comentou o seguinte:
-
"Sou diretora do Abrigo ALMA, Sr.ª Ilma Santos de Souza, e informo aos leitores desta notícia que a ONG CIEDS não vem cumprindo desde o início do projeto até a presente data com a Proposta de melhorias em nossa instituição, informamos que os repasses não são feitos regularmente, o que veio a prejudicar nosso trabalho. Cabe ressaltar que, o Convênio que deveria ser até Set/08 está previsto para ser rescindido no início de Abril/08, por inúmeros motivos desagradáveis."
-
"Srs. Leitores,Eu, Ilma Santos de Souza, diretora do Abrigo ALMA, venho informar a todos que o Convênio foi Rescindido no dia 31/03/08, os 23 funcionários que haviam sido contratados foram demitidos por conta do término da Parceria, esta situação causou muitos transtornos, existem 23 pessoas desempregadas, inclusive no dia do pagamento das Rescisões de Contrato de trabalho com os funcionários, a ONG, CIEDS, que administrava todo a verba do projeto, emitiu cheques sem fundo aos funcionários, no último dia de prazo para pagamento, causando mais transtornos no término do Convênio, os funcionários devolveram os cheques ao CIEDS, e revindicaram a multa do art. 477 da CLT, no dia seguinte dia 11/04, receberam os pagamentos com a multa incluída.Esse Convênio que seria para mim um sonho realizado tornou-se um verdadeiro pesadelo. O Abrigo retornou a sobreviver exclusivamente de doações e contando a ajuda de voluntários nas atividades diárias por não mais nenhum funcionário para executar os serviços. Voltamos a estaca zero, contudo o Abrigo ALMA foi o maior prejudicado, digo, as crianças.Mas, essa história não vai terminar assim...
-
Ilma Santos"

Juventude, precisamos orar e agir pelo Abrigo ALMA!

segunda-feira, 21 de abril de 2008

Hidroteologia, contemporânea como a vida (Carlos Queiróz)

A transposição das águas do Rio São Francisco é um dos temas mais polêmicos da agenda brasileira.

A transposição das águas do Rio São Francisco é um dos temas mais polêmicos da agenda brasileira. O projeto, em resumo, destina-se a desviar enormes trechos do Velho Chico para áreas de seca – contribuindo, teoricamente, para a solução do centenário drama nordestino da escassez de água –, e é bandeira prioritária do governo Lula. Os principais argumentos a favor da obra giram em torno da possibilidade de irrigar 300 mil hectares de terras e transformar o sertão em um pólo agrícola, sobretudo de fruticultura, gerando empregos e renda para a região. Doze milhões de pessoas seriam beneficiadas em 268 cidades, de centros urbanos como Campina Grande (PB) e Caruaru (PE) a pequenas vilas encravadas no agreste.Recentemente, o bispo católico Luiz Cappio, com sua greve de fome contra o projeto, chamou a atenção da opinião pública brasileira e internacional para o que considera um equívoco. No entender do religioso, a transposição vai causar mais problemas que soluções. Minha história de vida, juntamente com o trabalho na Visão Mundial, me propiciam uma vocação pastoral marcada pela poeira e pelo sol escaldante do meu querido sertão. Sinto o pó de argila impregnado aos dedos, amolgados pelo atrito das pedras nas sandálias de camponeses pobres. Nas épocas de estiagem, observo o vento morno acariciando as resistentes folhas de carnaúba. A cor cinza da caatinga, formada por gravetos secos, está sempre tatuada na minha memória.
-
Ao contrário do que se diz, a natureza presenteou o nosso Semi-árido de paisagens verdes alimentadas por recursos hídricos. Deus concedeu ao Nordeste brasileiro precipitações pluviométricas privilegiadas, um dos solos mais férteis do planeta e uma excelente incidência solar. A combinação destes fatores torna algumas áreas da região um centro atrativo para grandes produtores. No Nordeste, é possível se extrair grandes safras e manter rebanhos bem alimentados. Todavia, ali mesmo, encontro multidões de sofredores. Caso de dona Francisca, que vive a seis quilômetros das margens do São Francisco – mas não pode oferecer um litro de água à cabra, “mãe leiteira” dos seus 11 filhos. Num misto de humor e indignação com a privação ou privatização da água, ela disse que não chorava porque não tinha mais água nos olhos.
-
O nosso problema não é apenas de seca, nem será resolvido desviando-se bilhões de metros cúbicos de água. Temos um drama de acumulação de bens e concentração de terras e mananciais nas mãos de poucas pessoas, protegidas por cercas de arame farpado intransponíveis. Acontece que, com menos investimento do que o planejado para a transposição do Velho Chico, pode-se fazer uma reforma agrária mais conseqüente, implementando a agricultura familiar sustentável. Bastaria melhorar pequenos açudes já existentes, montar barragens subterrâneas, continuar construindo cisternas para uso familiar nas pequenas propriedades de Franciscos e Franciscas. Antes de se pensar em mudar o curso de um rio, precisamos de uma mudança de paradigma: priorizar o que fazer em cooperação com o pequeno agricultor, para melhorar sua capacidade de produção. Seus projetos não agridem o meio ambiente e, se tecnicamente bem orientados, são potencialmente mais sustentáveis. Precisamos de uma reforma agrária e agrícola – e, na teologia, devemos entender que o tema em questão é sobre a nossa responsabilidade com tanta água que Deus manda para os nordestinos. Entre a nossa hidroteologia que estuda somente sobre a quantidade de água a ser usada para o batismo – se por imersão ou aspersão –, precisamos optar por uma teologia que equacione o problema da justiça quanto ao uso de água no planeta. Sem amor ao próximo, sem promoção de justiça e, conseqüentemente, sem paz na sociedade, nossa teologia será árida, infértil e não sinalizará a utopia possível do Reino de Deus.
-
Que os rios de justiça sejam transportados do coração de mulheres e homens de bem. Parafraseando a linguagem hidroteológica do profeta Amós, pedimos a Deus que “a retidão corra como um rio, a justiça como um ribeiro perene”.
-
Carlos Queiróz

quinta-feira, 10 de abril de 2008

O que aconteceu na Conferência Livre de Juventude do dia 1º de Março na Itacuruçá?

Número estimado de pessoas participantes: 46
Número estimado de organizações participantes: 4 – Rede FALE; Aliança Bíblica Universitária do Brasil (ABUB); Igreja Batista Itacuruçá; Ação Jovem.


Breve resumo do debate de contextualização

Palestra-debate com Alexandre Brasil Fonseca, sociólogo e membro do CONJUV. O palestrante trouxe dados e indicadores sobre a situação dos jovens no Brasil – seus sonhos, medos e desafios. Expôs a questão da violência e da morte no Brasil, referindo-se ao texto bíblico de denúncia à violência e a desigualdade escrito pelo profeta Habacuque. Foi enfatizada a importância da participação da juventude na construção de políticas públicas. O atual contexto político relativo à juventude foi apresentado e analisado. Questionou-se o quanto os jovens têm participado dos processos políticos em relação a outras épocas da história do país, verificou-se que este é um dado bastante relativo à localização de quem observa os jovens. Há de fato um bom número de jovens se posicionando politicamente em diversas áreas. No entanto, há ainda uma disparidade entre o número de jovens mobilizados por organizações religiosas (aproximadamente 60% das organizações de juventude são de cunho religioso) e sua representatividade no processo de construção das PPJs. Por mais que haja divergência entre visões e práticas sócio-políticas, é preciso se lançar sobre o caminho da participação. Através da participação efetiva, a juventude tem chance de fortalecer a democracia, defendendo seus próprios direitos.

Listagem das bandeiras mapeadas (da mais para a menos recorrente)

- Maior incentivo e apoio a participação de jovens ligados a movimentos religiosos na construção das PPJs.
- Combate a discriminação racial.
- Combate as injustiças sociais e desigualdade de renda.

Os temas que foram discutidos nos GTs da Conferência:

Educação; Meio Ambiente; Cidades e Territórios; Mídia; Liberdades Democráticas; e Participação Política.

Breve avaliação da Conferência:

A Conferência Livre de Juventude promovida pela Rede FALE, pela ABUB e pela Igreja Batista Itacuruçá foi um evento pioneiro e visionário na mobilização da juventude evangélica carioca. Contando com a participação de mais de 40 pessoas inscritas, a conferência contou com variadas atividades que aproximavam a prática religiosa protestante à discussão das Políticas Públicas de Juventude – dentre essas, destacamos os momentos de oração, os grupos de trabalho (GTs) e a Plenária Final. Quanto a esta última atividade, importa dizer que a prática da decisão coletiva, comum às igrejas de tradição batista, foi um exercício de cidadania e respeito, apontando de forma decisiva algumas importantes propostas para a participação da juventude evangélica brasileira na Conferência Nacional de Juventude.


(Estas informações foram enviadas em outro formato para o CONJUV. Se você quer ter acesso ao documento original mande-nos um email. As principais informações da Conferência Livre seguem abaixo na postagem que traz DESAFIOS E SOLUÇÕES.)

Relatório da Conferência Livre que ocorreu em ITA dia 1º de Março (Desafios e Soluções)

DESAFIOS E SOLUÇÕES
O número 1 é o Desafio 1, a ele corresp0ndem três soluções (1.1, 1.2 e 1.3). O número 2 é o Desafio 2, a ele correspondem três soluções (2.1, 2.2 e 2.3). E assim vai o relatório dos desafios e soluções até o Desafio 8.

1
Mesmo nas cidades, mas especialmente em regiões rurais há uma parcela muito grande da população não servida de água potável e rede de esgotos. Necessidade de controle popular da execução de projetos de atendimento sanitário.

1.1 Criação de parceria do setor público com o setor privado (PPP) para atender às necessidades de saneamento de todo tipo de população não atendida
1.2 Criação de agência reguladora para fiscalização do atendimento aos princípios de regularidade, continuidade, generalidade, solidariedade
1.3 Trabalho de conscientização das populações não atendidas quanto a: seu direito de ter saneamento básico; composição e destino dos impostos pagos

2
Ensinar a condição humana: somos todos um, parte da mesma criação – continuidade entre natureza e humanidade.

Diminuir o êxodo rural de jovens.

Reduzir o consumo de energia pelas cidades (75% do país).
Reavaliar os custos sociais do sistema agroexportador.

2.1 Incentivo à proliferação e solidificação de organizações da sociedade civil com atuação na área ambiental, especialmente na fiscalização de ações e de cumprimento de leis e normas ambientais.
2.2 Atuação responsável da mídia.


2.3 Conscientização desde a escola, fomentando a ação individual, familiar, coletiva pela preservação do meio ambiente, mesmo no meio urbano. Fomento à agricultura urbana.

3
Combate à cultura de violência.

Inte(g)ração comunidade-escola.

Combate à pedagogia da exclusão.

Equipes de apoio ao trabalho pedagógico.

3.1 Vigilância e atitudes que promovam sempre a gentileza, a solidariedade e um ambiente de colaboração mútua dentro da comunidade escolar. Para que essas práticas comecem na escola e cheguem até as outras esferas da sociedade. E a não submissão a situações de violência, seja esta objetiva e/ ou subjetiva.
3.2 Permitir que não só a comunidade vá até a escola, mas que também o movimento inverso aconteça a fim de integrar e enriquecer o fazer didático. Equipes interdisciplinares formadas por profissionais das áreas de ciências humanas e de saúde à disposição da escola e da comunidade.
3.3 Constante luta para que toda prática de ensino e aprendizagem que exclua e/ou oprima aqueles que estudam seja extinta.

4
Maior participação dos estudantes nas escolas e universidades.

Melhoria dos sistemas de avaliação das escolas e universidades.

Que todas as discussões e propostas dentro das instituições de ensino ou que digam respeito a elas tenham sempre a participação dos que estudam nelas.

4.1 Fim do vestibular. Fixação de políticas públicas que garantam mais do que o ingresso, mas também a permanência dos estudantes nas instituições de ensino até a conclusão de seus estudos. Sejam eles portadores de necessidades especiais, pobres ou mesmo vindos de diferentes culturas.

4.2 Reavaliação dos sistemas de classificação, em relação a metodologia, erro, etc. Que os projetos políticos pedagógicos levem sempre em consideração as histórias e saberes dos indivíduos-cidadãos que compõe cada grupo e sejam sempre entrelaçados com suas histórias e que tenham como ponto de partida suas visões do mundo.


5
Mais investimentos em educação.

Formação docente para todo aquele que ensina.

Formação continuada para o corpo docente das escolas com conteúdos interdisciplinares ou transdisciplinares.

5.1 Um maior compromisso com a fiscalização das verbas publicas a fim de garantir que o que é destinado para educação pública, chegue a seu destino final. Não obstante o investimento de mais recursos.
5.2 Mecanismos que permitam a todo aquele que se propõe a ensinar ter uma formação docente.

5.3 Que sejam garantidas aos docentes condições ideais para que possam prosseguir seus estudos, aperfeiçoarem-se e mesmo ampliar suas áreas de conhecimentos como forma de enriquecer suas práticas de ensino.

6
Alienação política e carência de discussões que incentivem a participação política da juventude evangélica;

Falta de divulgação das atividades e Políticas Públicas de Juventude por parte do governo;

Falta de espaço para a participação da juventude evangélica nos fóruns e conselhos de juventude.

Dificuldade de unidade e respeito à diversidade entre os diferentes grupos sociais, inclusive entre as denominações evangélicas, limita as possibilidades de dialogar e levantar bandeiras comuns à juventude evangélica brasileira.

6.1 Maior investimento do governo em divulgação das suas ações voltadas para a juventude. Promoção de campanhas pela Secretaria Nacional de Juventude que visem o diálogo entre os diferentes grupos religiosos no Brasil.

6.2 Consolidar os Conselhos de participação da sociedade civil e suas instâncias nos níveis estadual e municipal.

6.3 Aumentar a inserção oficial de representação de grupos da juventude religiosa nos conselhos de juventude.


7
Democratização da Mídia brasileira


7.1 Inclusão da disciplina Ética, Cidadania e Democracia no ensino fundamental e médio, tendo como objetivo básico ensinar aos educandos sobre seus Direitos e deveres e a pensar criticamente sua posição como cidadãos dentro da sociedade, incluindo questões relacionadas à mídia.
7.2 Propor Projeto de Lei que determine uma quantidade mínima de minutos informativos nos quais a mídia exporia artigos da Constituição Federal (CF) relativos à própria mídia e aos direitos e deveres constitucionais, com orientação a estes.
7.3 Criação de um órgão regulador do uso da mídia, a partir de discussões de âmbito e acesso públicos para a ampla participação da sociedade, objetivando a regulação das concessões de rádio e televisão, conforme o art. 21 da CF.

8
Visibilidade da Juventude na Mídia


8.1 Financiamento e incentivo para produções impressas e audiovisuais que expressem questões da juventude, atendendo a grupos e indivíduos deste segmento.
8.2 Criação de espaços de discussão sobre o problema do acesso e do aprendizado do uso de novas tecnologias.